A “Rocinha” do Coração

Lugar de batalha entre facções. Guerra que envolve os que militam e os que não. Transita quem entende o que está acontecendo e quem foi alienado do processo. Há falta de paz, sobram riscos..

Tudo isso acontece lá, mas também dentro de nós..

Qual é a solução, pra lá e pra nós?

Nem polícia, nem exército. Armas tão pouco. Sabe por quê? O problema não está lá..

O problema está na fronteira. Os barões do tráfico não estão na favela..

“Sobre tudo o que se deve guardar, guarda pois o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida”. .

O coração é uma porta de entrada. Cuidado. Às vezes chegamos atrasados e só colhemos as consequências do que poderia ser evitado lá atrás. .

Paz para Rocinha
André Luiz

México

 

Tudo fora do seu lugar habitual. Escombros no lugar de edifícios. O que era deixou de ser, dando lugar a única palavra que cabe e reconstrói: a Solidariedade.

O tremor de terra testa o nível da nossa compaixão e sensibilidade. O quanto podemos ajudar uns a aos outros.

Pensando no México, refleti o que seria do bairro onde eu moro se acontecesse algo parecido. Num rompante a gente logo diz: “Vira essa boca pra lá”!

Me incomoda pensar que as pessoas não se falam apesar de se esbarrarem todos os dias, os filhos dos “classe-média-endividada” não conhecem os filhos de quem estuda em escola pública, tão perto um do outro, vivem mundos diferentes..

Os jovens desprezam os mais velhos, os mais velhos desconfiam dos padrões desconhecidos e reclamam de tudo e de todos na fila. Os casais se desentendem vivendo sob o mesmo teto..

Todos têm medo de sair à noite. Os moradores de rua são considerados lixo indesejável.

Será que já não vivemos um terremoto? Parece que muita coisa já está fora do lugar..

Em que nível está nossa Solidariedade? E nossa casa, está edificada sobre a Rocha do Amor?

Ou somos apenas escombros de humanidade disfarçada pelos nossos bens materiais?

Oremos pelo México
André Luiz